Posted in Design, Programming, Uncategorized

ZodiChat

You know that person that just clicks with you?

That you feel you know him/her for ages?

You know that it can happen due to the characteristics of your zodiac sign?

Yes its true! ZodiChat can help you find that specific sign with those characteristics that you just get along with. From everywhere in the world, It can be in the same area that you live or in that exotic country that you are going to spend your next holidays.

It’s quite easy, just login with your Facebook or Google account then start searching and talk to people with the zodiac you wish for!

You don’t need to be in the search of your other half, you can make friends as well! Meet and talk with as many people as you wish and you can set what you are looking for: either friends, love or just no commitment. Find it here on ZodiChat, let the universe connect you and bring you what you wish.

 

::https://itunes.apple.com/ie/app/zodichat/id1214044751?mt=8

Posted in Uncategorized

English Lessons II

have you given your presentation yet? Yes, I gave it two hours ago

Has she gotten her paycheck yet? yes, She got it yesterday

Have they taken out the trash yet? yes, they took them out a little while ago

Have you met the new boss yet? yes, I met her this morning

has he done the dishes yet? yes,  he did it a little while ago.

Has she emailed her brother yet? yes she emailed him last week

Have they bought the groceries yet? yes they them this morning.

Have you washed your car yet? yes, I washed it one hour ago.

Have you done your laundry yet? yes, I did it  this morning.

Has she taken her driving test yet? yes,  She took it  last week

I have already eaten at the restaurant tonight. I ate in the restaurant one hour ago.

I have already gotten a haircut today. I got it this morning.

I have already given blood today. I gave blood this afternoon.

She has already taken them in the zoom. She took her children in the zoon yesterday afternoon.

He has already driven to the mountains. He drove to the mountains last weekend.

She has already emailed to her brother. She emailed him last week.

No, I never eaten at a Japanese restaurant

I have never been in Los Angeles

I have never seen a camel

I have never gone skiing

I have never been late for an important appointment

I have never gotten a traffic ticket

I have never lost something valuable

Folks, this lessons are here, if you want.

kisses

Posted in Uncategorized

Matrix e o Mito da Caverna

Centro Universitário Senac

MITO DA CAVERNA

E A

TRILOGIA MATRIX


São Paulo, 14 de Junho de 2009

Ariane Oliveira
Flávio Cavalheiro

Produção de Multimídia 2º. Semestre

Período Noturno

Uma ótima forma de começar está discussão seria ter uma noção previa e básica sobre o Mito da Caverna de Platão e a Trilogia Matrix. Logo vamos começar pelo Mito de Platão:

“O mito da Caverna

Platão criou uma alegoria, conhecida como mito da caverna, que serve para explicar a evolução do processo de conhecimento.

Segundo ele, a maioria dos seres humanos se encontra como prisioneiro de uma caverna, permanecendo de costas para a abertura luminosa e de frente para a parede escura do fundo. Devido a uma luz que entra na caverna, o prisioneiro contempla na parede do fundo as projeções dos seres que compõem a realidade. Acostumado a ver somente essas projeções, assume a ilusão do que vê, as sombras do real, como se fosse a verdadeira realidade.

Se escapasse da caverna e alcançasse o mundo luminoso da realidade, ficaria livre da ilusão. Mas, estando acostumado às sombras, às ilusões, teria de habituar os olhos à visão do real: Primeiro olharia as estrelas da noite, depois as imagens da coisas refletidas nas águas tranqüilas, até que pudesse encarar diretamente o Sol e enxergar a fonte de toda a luminosidade.”

Fundamentos da Filosofia, Historias e Grandes Temas. Cotrim, Gilberto. Editora Saraiva – 15º. Edição reformulada e ampliada – 2000. Pagina 99.

E vejamos agora um triler de Matrix:

Pesquisando pela internet, descobri alguns vídeos que abordam sobre o Mito da Caverna de Platão:

Platão usa o mito para exemplificar como o processo de conhecimento se aplica ao ser humano, seja qualquer tipo de conhecimento. E a abertura luminosa, o Sol e tudo que contem luz, neste mito, significam a razão, o conhecimento racional das coisas. Devido a estarmos acostumados por passar a vida inteira vivendo na mediocridade da ignorância, acreditamos que ela é o verdadeiro conhecimento, mas não é.

Matrix engloba todo este conceito de caverna, alienação do ser humano, explica de uma forma prática e cinematográfica (com uma grande quantidade de efeitos especiais), a parte literária do Mito da Caverna. Uma vez que, por mais que, dentro da trilogia, houvesse um despertar para o verdadeiro conhecimento, a verdadeira realidade após um mundo de ilusões, ele não coloca exatamente o mito no nosso cotidiano, mas sim, refaz o mito, como se Platão estivesse exemplificando o mito na nossa época, como diz o Professor do segundo vídeo de pesquisa.

Quando ele comenta sobre habituar os olhos e nos acostumarmos com a luz-razão, ele quer que entendamos que, mesmo livre da falta de conhecimento, e tendo conhecimento de uma verdade, às vezes, a sociedade, ou a humanidade _ como queira chamar_ não esta preparada psicologicamente e moralmente para entender e aceitar, preferindo ficar na obscuridade do que conviver com um fato real. Um grande exemplo disso seria, o clone, os estudos de células troncos, entre outros assuntos e descobertas que temos, mas que a sociedade, por assim dizer, ainda não aceita totalmente.

Sobre as céluas tronco:

Sem contar, também, que a trilogia Matrix aborda o termo “alienado”, talvez o mesmo que é abordado no primeiro filme de pesquisa postado acima. Nós somos alienados a seguir somente o que nos é imposto? Como o consumo, guerras, dinheiro, etc.? Será que estamos enganados pela ilusão da Mídia, da informação enganosa, ou qualquer outro poder de manipulação?

Enfim, a trilogia Matrix exemplifica o Mito da Caverna, mas colocar mos ele no nosso cotidiano exige muito mais uma quebra de paradigma e pré-conceitos do que simplesmente nos “desconectarmos” das sobras.